#

Especialistas relacionam a Amazônia e o Sargaço do Caribe

28 de Agosto de 2019 1:35pm
Redação Caribbean News Digital Portugues
Sargaco no Caribe

Numa época em que os incêndios na Amazônia estão nas primeiras páginas de toda a mídia, pouco se imagina que essa catástrofe possa estar intimamente relacionada ao sargaço que arruína a costa do Caribe.

“O principal problema é o rio Amazonas. O segundo, aquecimento global. Quanto mais quente a água, mais ela se reproduz ”, diz Steve Leatherman, especialista em meio ambiente da Universidade Internacional da Flórida (FIU).

A verdade que em 2011 aumentou a agricultura na região brasileira do rio Amazonas. Isso resultou em um maior uso de fertilizantes, porque, para semear mais, os produtores que desmatam a floresta obtêm em troca um solo muito pobre de lama vermelha.

Cientistas liderados pelo oceanógrafo Chuanmin Hu (que estudou Sargassum usando tecnologia de satélite desde 2006) usaram observações de satélite da NASA para documentar a magnitude do problema. Com simulações em computador, eles confirmaram que esse macro cinturão de algas marrons é formado em resposta às correntes oceânicas.

Há oito anos, a maior parte do sargaço flutuava principalmente em várias áreas ao redor do Golfo do México e no mar dos Sargaços, localizado na borda oeste do Oceano Atlântico central, e há uma década, os níveis de clorofila aumentavam na pluma do rio Amazonas, a parte do Oceano Atlântico que recebe pontos de tributação.

Além disso, as águas entre a África e o Brasil estão em uma região mais quente que favoreceu as flores com um desenvolvimento mais rápido que gera uma quantidade maior de biomassa. No mar aberto, esse tipo de alga contribui para a saúde do oceano, fornecendo habitat para tartarugas, caranguejos, peixes e outras plantas.

Também produz oxigênio através da fotossíntese, mas essas algas se tornam um problema quando se aproximam das costas, pois podem deslocar espécies marinhas e limitar luz e nutrientes a ecossistemas indispensáveis a esses locais, como as chamadas ervas marinhas.

Sargaco no Caribe

Van Tussenbroek, pesquisador em Puerto Morelos do Instituto de Ciências Marinhas e Limnologia (ICMyL) da UNAM e que dirige o Laboratório de Pastagens Marinhas desta unidade acadêmica, também se tornou um dos principais alunos do problema desencadeado pelo sargassum.

O pesquisador reconhece o estudo de Chuanmin Hu como um documento de grande precisão e, embora seja claro que os resíduos lançados na Amazônia contribuíram para aumentar o problema, ela ressalta que esse local não pode ser responsabilizado, quando em nível regional as descargas de resíduos que são feitas diariamente em nossas costas também contribuem fortemente.

Back to top