Planejam pilotos de Ryanair greve em Irlanda para agosto e setembro

10 de Agosto de 2019 3:41pm
Redação Caribbean News Digital Portugues
raynair-companhia-aerea

Os pilotos da línha aérea Ryanair com base de operações em Irlanda poderiam convocar este verão em vários dias de greve, depois de que seus colegas no Reino Unido anunciassem que realizarão dois desempregos em agosto e setembro.

A Associação de Pilotos de Aerolíneas Irlandeses (Ialpa) dará conhecer nesta sexta-feira, o resultado de uma votação efectuada entre os seus membros, que representam em torno do 25 % do modelo deste coletivo de Ryanair em Irlanda.

A companhia comprometeu-se no final de 2017 a reconhecer, pela primeira vez em sua história, aos sindicatos independentes de seus trabalhadores, mas a falta de avanços levou a pilotos e tripulantes de cabine a convocar parones o passado verão, o que provocou milhares de cancelamentos e perdas económicas importantes para Ryanair.

Ryanair: de uma greve para outra

A pressão obrigou à empresa negociar durante este e no passado ano vários convênios coletivos em suas bases européias, conquanto os pilotos segue reclamando melhoras em seus planos de pensões, seguros, nas condições para a maternidade, e uma 'estrutura de salários justa, transparente e consistente'.

Assim o expressou nesta quinta-feira o sindicato de pilotos britânico Balpa, depois de confirmar que efetuarão dois desempregos, um de 48 horas a partir de 22 de agosto e outro de 72 horas em 2 de setembro.

Ryanair é a aerolínea favorita de Europa segundo IATA Ryanair lamentou pela sua vez a decisão de Balpa e adverte de que estas medidas causarão sérios transtornos a milhares de passageiros, apesar de que, diz, este sindicato representa a 'menos do 50 %' de seus pilotos nas bases do Reino Unido e 'só o 57 %' votou a favor da greve.

'Balpa não tem um mandato para interromper nossos voos e as férias de nossos clientes, sobretudo quando os pilotos no Reino Unido enfrentam despedimentos como consequência dos atrasos na entrega de aviões Boeing MAX e da ameaça de um 'brexit' sem acordo o próximo 31 de outubro', assinalou Ryanair num comunicado.

Na passada semana, a linha aérea já informou que planeja recortar seu modelo em até 500 pilotos e 400 tripulantes de cabine devido, entre outros factores, ao impato da saída do Reino Unido da União Européia (UE), o encarecimento do combustível e o atraso na entrega de aparelhos Boeing 737 Max.

O conselheiro delegado de Ryanair, Michael O'Leary, afirmou que o benefício da assinatura caiu 21 % no primeiro trimestre de seu exercício fiscal, até 243 milhões de euros.

O diretor esgrimiu que essa queda é consequência, entre outros aspectos, de 'as grandes subidas salariais de pilotos e tripulantes de cabine negociadas no passado ano'.

Ryanair tem estimado que o atraso na entrega de aviões Boeing reduzirá o crescimento da companhia no verão de 2020 de 7 a 3 %, pelo que o tráfico anual de passageiros poderia cair de 162 milhões previstos até agora a 157 milhões.

Mesmo assim, sustenta que as dificuldades que atravessa o fabricante estadunidense para cumprir com os pedidos previstos causarão recortes e fechamentos' em algumas bases de operações européias durante o próximo inverno e o verão de 2020.

Back to top
The website encountered an unexpected error. Please try again later.