#

Conheça os destinos mais perigosos para o turismo LGBT

02 de Janeiro de 2020 4:47pm
Redação Caribbean News Digital Portugues
destino-lgbt

Do total de 1,2 bilhão de turistas internacionais que viajaram em 2016, 35 milhões pertenciam ao segmento de turismo LGTB, representando 3% do volume de visitantes em todo o mundo e 15% dos gastos com turismo, segundo dados da Organização Mundial de Turismo (OMT).

A verdade é que esse segmento turístico é muito atraente e move muitos viajantes todos os anos. No entanto, nem todos os destinos podem ser considerados amigáveis, pois nem todos gozam dos mesmos direitos e regulamentos. Precisamente por esse motivo, a partir do portal de pesquisa Asher & Lyric, eles prepararam um ranking com os países mais e menos seguros para viagens LGTB.

turismo-lgbt-sao-pablo

Especificamente, os 150 países mais visitados do mundo por turistas foram investigados e um total de oito fatores foram levados em consideração para criar esse Índice de Periculosidade LGBTQ +, que são:

  1. Legalização de casamentos entre pessoas do mesmo sexo.
  2. Proteção do trabalhador (proteção da orientação sexual e / ou identidade de gênero).
  3. Proteção contra a discriminação (proteção constitucional).
  4. Criminalização da violência (crimes de ódio).
  5. Autorização de adoção.
  6. Este é um bom lugar para morar?
  7. Ilegalidade das relações homossexuais.
  8. Existência de leis contra propaganda homossexual.

É importante ressaltar que os três últimos fatores tiveram mais peso que o restante na preparação do ranking.

O país mais perigoso para o coletivo LGTB, de acordo com esta pesquisa, é Nigera, com uma pontuação de -142. Desse destino, enfatizam que a homossexualidade pode ser condenada com penas de prisão de até 14 anos, embora também possa ser punida com a pena de morte, uma vez que a Sharia é implementada em nove de seus estados.

O segundo lugar é ocupado pelo Catar (-137), onde qualquer ato homossexual pode ser punido de um a três anos de prisão, açoitamento ou pena de morte segundo a lei da Sharia. O pódio é fechado pelo Iêmen (-128), onde homens homossexuais podem receber 100 chicotadas e permanecer na prisão por um ano se não forem casados, ou ser condenados à morte por apedrejamento, se estiverem. Enquanto isso, as mulheres podem ser punidas com 100 chicotadas e três anos de prisão.

Na posição número quatro, fica a Arábia Saudita (-126), onde a homossexualidade pode ser punida com 100 chicotadas ou banimento por um ano. A expressão da identidade de gênero também é penalizada. Na quinta, a Tanzânia (-125), onde ser gay pode custar 30 anos de prisão perpétua.

Do outro lado da lista, está a Suécia, com 322 pontos, como o destino mais gay-friendly. É seguido pelo Canadá (309); Noruega (307); Portugal (306); e Bélgica (301). Enquanto isso, a Espanha está classificada como número dez dos melhores destinos para o turismo LGBT, com 279 pontos.

LGBT-Travel-Pavilion

Top 20 dos piores destinos LGTB

    1. Nigéria (-142).
      2. Catar (-137).
      3. Iêmen (-128).
      4. Arábia Saudita (-126).
      5. Tanzânia (-125).
      6. Irã (-124).
      7. Sudão (-119).
      8. Barbados (-118).
      9. Malásia (-117).
      10. Malauí (-111).
      11. Zâmbia (-111).
      12. Santa Lúcia (-110).
      13. Uganda (-109).
      14. Paquistão (-109).
      15. Cisjordânia e Gaza (-106).
      16. Quênia (-102).
      17. Maldivas (-100).
      18. Jamaica (-98).
      19. Etiópia (-97).
      20. Egito (-96).

Os 20 melhores destinos LGBT

    1. Suécia (322).
      2. Canadá (309).
      3. Noruega (307)
      4. Portugal (306).
      5. Bélgica (301).
      6. Reino Unido (299).
      7. Finlândia (289).
      8. França (287).
      9. Islândia (283).
      10. Espanha (279).
      11. Malta (269).
      12. Nova Zelândia (268).
      13. Países Baixos (265).
      14. Dinamarca (248).
      15. África do Sul (246).
      16. Irlanda (244).
      17. Austrália (238).
      18. Uruguai (237).
      19. Colômbia (232).
      20. Áustria (229).

 

Back to top