#

A água que nos dá energia

17 de Setembro de 2018 1:30am
coordinador
A água que nos dá energia

20% da eletricidade mundial são determinados pela energia da água, um fato que ficou invariável da década de 90 do século passado. O seu volume de geração triplica o que acontece com o eólico, quer dizer, com o uso do vento.

A água doce transformou-se em ouro. Em tempos em que tanto escasseia em algumas regiões do mundo, o valioso líquido é hoje a primeira fonte de energia renovável aproveitada do planeta e transformada em eletricidade pelas centrais hidro energéticas.

Embora da era romana os famosos moinhos de água eram já usados para a irrigação, o moinho de grãos e outras de tarefas característica do tempo, que a maioria do crescimento da geração hidro energética vem de grandes e pequenos projetos impelidos pelas economias emergentes e em desenvolvimento. Nestes países eles melhoram os serviços das redes elétricas e aliviam a pobreza em muitas regiões aonde ainda não chegou a eletricidade nem a água.

Como trabalha uma Central Hidro energética?

A queda da água entre dois níveis é feito passar por uma turbina hidráulica que transmite energia para um gerador que transforma isto em energia elétrica. Também existem máquinas hidráulicas de tamanho pequeno que produzem eletricidade tirando proveito do passo horizontal da água pelas turbinas.

Todas as centrais hidro energéticas são importantes e eles completam, de acordo com o caso, objetivos diferentes para a rede elétrica de cada país. Eles são classificadas como grandes, medianas e pequenas. Também há as míni e micro hidro energéticas, todas de real significado, conectadas ou não para a rede elétrica do país ou região.

Em todos os casos, a existência ou construção de uma instalação hidro energética força a não perder de visão as despesas sociais e ambientais que pode insinuar isto. A importância da sua construção e existência não deveria provocar nenhum desastre ecológico ou humano.

Equilíbrio mundial

China é hoje o maior produtor mundial de energia hidráulica, escoltado pelo Brasil, Canadá, Estados Unidos e Rússia.

América Latina tem o privilégio de ter um alto potencial hidráulico. Brasil, Paraguai, Venezuela, México, Argentina e outras nações são evidência significante daquela declaração.

45% da energia elétrica do gigante Sul americano e 90% de Paraguai provem da hidro energia, com um efeito muito positivo para as despesas.

Estas centrais elétricas modernas são muito eficientes comparadas com a corrente térmica de petróleo ou carvão. Eles também têm entre suas vantagens sobre outras fontes de energia renovável, um nível alto de segurança, sendo uma tecnologia muito provada, para permitir a acumulação de energia ao conter níveis de água na presa, baixas despesas de operação e alta flexibilidade para ser despachada às redes elétricas.

Não obstante, este tipo de projetos tem como preocupação permanente os efeitos dos períodos de escassa chuva e as consequências da mudança climática.

Itaipu, uma joia da engenharia.

Com um poder instalado de 14 000 MW (equivalente a 14 milhão KW.), Central Hidro energética de Itaipú é considerada como a segunda maior do mundo.

Localizada no Rio Paraná, na fronteira entre o Brasil e Paraguai, que possui 20 turbinas hidráulicas de 700 MW e a sua construção exigiu um custo de 36 000 milhões de dólares. Um das conquistas maiores no projeto é que foi executado com diferença de queda total de 120 m.

Em 1995 a central elétrica era incluída em uma relação das sete Maravilhas do Mundo Moderno que elaborou uma prestigiosa revista técnica dos Estados Unidos, a partir de uma séria investigação realizada.

Além de Itaipu, fizeram parte da referida seleção: a Ponte Golden Gate e o Edifício Empire State (Estados Unidos), o Canal de Panamá, e a Torre Canadense Nacional (CN Tower), no Canadá.

Outros projetos importantes

" O Brasil: Projeto Jirau. Desenvolve 3 750 MW, 50 turbinas. Está no curso do rio Mãe de Deus, no estado amazónico de Randonia.

" A China: Projeto Longtan. Desenvolve: 6 400 MW, no rio Hongshui.

" A Rússia: Projeto Soyano. Shushinoskaya. Desenvolve: 6 400 MW, no rio Yenise.

" O Canadá: Projeto Robert. Bourassa. Desenvolve: 5 617 MW, no rio O Grande.

" O Brasil: Projeto Complexo Hidroelétrico Paulo Alfonso. Desenvolve: 4 279 MW, no rio Francisco.

" A Argentina. Paraguai: Projeto Yacyreta. Desenvolve: 450 MW, no rio Paraná.

" O Paquistão: Projeto Tarbela. Desenvolve: 3 478 MW, no rio Indo.

" O Uruguai: Projeto Garabí. Roncador. Desenvolve: 1800 MW, no rio o Uruguai.

" O México: Projeto Manuel Moreno. Desenvolve 2 400 MW, no rio Grijalva.

“A Espanha: Projeto Buendía”. Desenvolve: 1 515 MW, no Corte de rio.

 

As cinco centrais hidro energéticas mais grandes do mundo

1.            China: Projeto Três Gargantas. Desenvolve: 22 500 MW

2.            Brasil-Paraguai: Projeto Itaipú. Desenvolve 14 000 MW

3.            Venezuela: Projeto Simón Bolívar. Desenvolve: 10 200 MW

4.            Brasil: Projeto Tucuruí. Desenvolve: 8 340 MW

5.            Estados Unidos: Grand Coulee (Lake Franklin D. Roosevelt).  Desenvolve: 6 800 MW

Back to top