#

Bolivar Lusíadas: protagonista do 154 aniversário da Casa Havaneza

27 de Junho de 2018 3:56pm
coordinador
Bolivar Lusíadas: protagonista do 154 aniversário da Casa Havaneza

A noite finalizou com a degustação do protagonista da noite, a nova Edição Regional de Portugal, o Bolívar Lusíadas, acompanhado por The Glenrothes Select Reserve, Sandeman Porto Tawny 20 anos e Havana Clube Seleção de Maestros.

Lisboa (Páteo Alfacinha) em Portugal, tem sido protagonista da celebração pelo 154° aniversário da Casa Havaneza, ocasião em que foi colocado à venda a tão esperada Edição Regional Bolívar Lusíadas.

Casa Havaneza é uma das lojas de puros mais emblemáticas e antigas do mundo, diz-se que foi criada em 1864 mas existem anúncios da época onde se assegura que suas portas abriram em 1855. Empor S.A., revendedor exclusivo de Habanos para Portugal, conta com quatro Casas Havanezas, três delas na cidade de Lisboa e uma na cidade de Porto.

O jantar, organizada por Empor, S.A, contou com a presença da Embaixadora de Cuba, Excma.  Sra. Mercedes Martínez, e outras personalidades. O evento converteu-se num magnífico palco de combinações entre Habanos e Rones, Mojitos, Gin, e Vinhos de alta qualidade, um conjunto único de aromas e sabores que foram desfrutados por mais de 100 pessoas.

Os participantes tiveram a oportunidade de degustar vários Habanos, sendo um deles o Montecristo Petit Edmundo, acompanhado por Mojitos de Habana Clube, Gin nº3, Founders on the Rocks e Sandeman Branco Tónico.

O jantar desenvolveu-se num ambiente agradável, entre poesia recitada pelo ator Pedro Giestas – um fragmento de; “Os Lusíadas” -, dedicado à nova Edição Regional e a animação musical de um grupo cubano.

A noite finalizou com a degustação do protagonista da noite, a nova Edição Regional de Portugal, o Bolívar Lusíadas, acompanhado por The Glenrothes Select Reserve, Sandeman Porto Tawny 20 anos e Havana Clube Seleção de Maestros.

Ademais, os participantes desfrutaram da entrega de prêmios oferecidos por Empor S.A. e os patrocinadores Sogrape e Pernord Ricard.

Back to top