#

Estudo revela que os jovens brasileiros são os que mais viajam a lazer

18 de Novembro de 2019 4:49pm
Redação Caribbean News Digital Portugues
milenial-brasil

Um estudo do Expedia Group Media Solutions, apresentado recentemente, em Las Vegas, comparou as diferentes influências, tendências, preferências e comportamentos de quem viaja, de diferentes gerações e regiões do globo.

O levantamento, baseado em que as viagens não são um modelo único que serve para todos, dado que as motivações dos viajantes variam no mundo todo, destacou as atividades realizadas durante a jornada, como o que mais influência na hora de fechar uma viagem, seguido da experiência única de vida e de terceiro, a experiência cultural.

Conforme os dados da pesquisa, os brasileiros da geração Z (de dez a 23 anos) são os que mais viajam a lazer por ano, com 3,2 deslocamentos, em comparação com a média global de 2,8. Já os argentinos dessa faixa etária são os que passam mais dias viajando, com 11,4 dias em relação a 8,3 dias da média de todo o mundo.

O uso do smartphone é cada vez maior e praticamente imprescindível ao realizar e organizar os deslocamentos. Entre os viajantes dessa geração, 57% utilizam dispositivos móveis para pegar inspiração e pesquisar viagens – com o destaque de 79% dos japoneses.

Em relação às gerações, é possível notar que a Alpha, que são crianças de zero a nove anos, já estão influenciando nas viagens. A dica para comunicar-se com esse público é utilizar conteúdo e mensagens interativas e amigáveis para criar uma experiência de planejamento de viagem fácil, colaborativa e divertida. Para a geração Z, integrar mobile e mídias sociais, especialmente imagens e vídeos, para engajar e inspirar esses viajantes é o caminho.

Millennials (de 24 a 35 anos) são atraídos por destaques visuais mais divertidos, a geração X (36 a 55 anos) é engajada por conteúdo cultural e imersivo, que vai além de informações úteis, e a principal dica para se comunicar com os baby boomers, que possuem mais de 56 anos, são as experiências culinárias e o Turismo gastronômico.

Back to top