#

O Caribe tem feito progressos, mas ainda tem um longo caminho a percorrer no turismo, diz o presidente cessante da CTO

12 de Outubro de 2012 12:18pm
O Caribe tem feito progressos, mas ainda tem um longo caminho a percorrer no turismo, diz o presidente cessante da CTO

Esta semana teve lugar em São Kitts a Conferência sobre o Estado da Indústria, organizado pela Organização de Turismo do Caribe, que reúne representantes de 32 Estados-Membros e da indústria, e onde são analisados os problemas e as perspectivas do setor. Em seu discurso de abertura, o presidente cessante da CTO, Richard Skerritt, falou das realizações dos últimos dois anos, mas insistiu nos desafios, como a unidade, marketing regional, transporte e política fiscal e de investimento.

A Conferência serviu para apresentar a nova presidente do Conselho de Administração do Conselho de Ministros do CTO para os próximos dois anos, um posto para o qual foi eleita Beverly Nicholson-Doty, comissária de Turismo da Ilhas Virgens dos EUA.

O evento recebeu também o apoio do presidente eleito da Associação de Hotéis e Turismo do Caribe (CHTA), Richard Doumeng.

Em seu discurso de abertura, Skerritt disse que a CTO “é mais eficaz. Dois anos atrás, era urgente mudar a percepção de vários membros da CTO que consideravam que a nossa estratégia de marca na América do Norte e na Europa não estava dando o retorno adequado sobre o nosso investimento. Um grande desafio tem sido garantir que os países membros contribuem para o fundo de marketing”, disse.

De acordo com Skerrittm no período mudaram dramaticamente as demandas e expectativas dos viajantes pelo rápido aumento das mídias sociais e por ser uma prioridade desfrutar de mais serviços e ofertas pelo mesmo preço ou até por menos.

Os impostos sobre o transporte aéreo

Nos últimos anos, disse Skerritt, os governos de ambos os lados do Atlântico começaram a olhar para a indústria do turismo como forma de equilibrar seus orçamentos.

"A aviação comercial internacional tornou-se uma fonte atraente de impostos para os governos. O Imposto ao Passageiro Aéreo (Air Passenger Dever, APD) Britânico é um exemplo desta situação. Sua estrutura não é apenas prejudicial para as longas viagens para o Caribe, mas aumentou os impostos relacionados com passagens aéreas para um nível sem precedentes", disse ele.

Esse mecanismo aumenta cerca de três bilhões de libras por ano para o governo britânico, "engajado em programas que não têm nada a ver com a aviação."

"A CTO acredita que as taxas aéreas devem ser mantidas em um mínimo e dedicadas a garantir a segurança e melhor atendimento nos aeroportos, bem como a expandir os serviços relacionados com as viagens", disse Skerritt, acrescentando que a reação das empresas aéreas é o aumento das tarifas.

Cruzeiros

Perante esta situação, "as linhas de cruzeiro têm reduzido a velocidade de navegação e os assentos de aeronaves em seus pacotes, que, em uma região como o Caribe, resultou em uma redução das opções de portos de embarque, em novos itinerários com distâncias mais curtas a partir de portos de cruzeiro do território continental dos Estados Unidos e no declínio na participação no mercado das ilhas do Caribe meridional.

Ele concluiu que "é da responsabilidade de cada um de nós garantir que as pessoas do Caribe entendam melhor a importância do turismo para o seu sustento, e tenham as habilidades para contar melhor a história do Caribe, enquanto damos aos nossos visitantes um serviço de de classe mundial.

Back to top